Lançamento Black Hole


oi amigos, já conhecem o novo lançamento da Darkside?

Black Hole
Charles Burns
ISBN-13: 9788594540515
ISBN-10: 8594540515
Ano: 2017 / Páginas: 368
Idioma: português 

Vencedor do Eisner Award de Melhor Álbum de 2006 e de nada menos que nove Harvey Awards e outros dois Ignatz Awards, Black Hole é a mais importante graphic novel de Charles Burns. Publicada em forma de série durante uma década, foi reunida em 2005 para aclamação mundial e reforçou o lugar do artista como o mestre dos quadrinhos independentes de horror. Agora, orgulhosamente inaugura a publicação de Clássicos dos Quadrinhos pela DarkSide Books. O obstinado terror existencialista da obra de Burns é composto apenas pelo trabalho em pincel, de alto contraste em preto e branco, que presta homenagem ao horror sutil dos primeiro filmes do gênero, e desde cedo se tornou um dos estilos mais reconhecidos de toda a arte sequencial contemporânea, instantaneamente familiar assim que é visto em alguma antologia ou na capa de revistas como The New Yorker e The Believer. Black Hole se passa nos arredores de Seattle, extremo noroeste dos Estados Unidos, em meados da década de 1970, quando uma praga inominável e traiçoeira se alastra entre os adolescentes locais através do contato sexual e parece não poupar ninguém. Ela se manifesta de maneira diferente em cada um dos infectados — enquanto alguns apresentam apenas manchas na pele, algo sutil e fácil de ocultar, outros se transformam em grotescas aberrações, vagas lembranças do que foram um dia. E uma vez que você foi contaminado, não há mais volta. Para esses seres monstruosos, não há alternativa além do auto-exílio em acampamentos precários, na floresta que circunda a região. Conforme vamos nos familiarizando com os diversos protagonistas da história — garotas e garotos que foram infectados, outros que não foram e aqueles que estão prestes a ser —, o clima de delírio, horror e insanidade toma conta dos adolescentes.
Black Hole apresenta um retrato inquietante e soberbo da alienação dos tempos colegiais, repleto de crueldade e selvageria e hormônios à flor da pele, que dialogam com o tédio, a angústia e as necessidades mais profundas de nossa própria aceitação que dominam essa época da vida. Aterrador e hipnótico, a graphic novel que consagrou Charles Burns transcende seu gênero ao explorar com habilidade um momento cultural específico americano, quando não era mais bacana ser hippie, e David Bowie ainda era um pouco estranho para esses jovens, a liberdade sexual começava a se transformar em um pesadelo e a vida adulta cobrava o seu preço pelos traumas reais da infância, traumas da perda e da sensação de absurdo existencial. Isso sem falar de chifres brotando, rabos aparecendo, fendas se abrindo e alterando sua epiderme para sempre...